Blog : Seguro Ambiental

O que são riscos ambientais e como prevenir?

O que são riscos ambientais e como prevenir?

O rompimento das barragens de Fundão e Santarém entre os municípios de Mariana e Ouro Preto em Minas Gerais, em 2015, considerado o maior desastre ambiental do Brasil segundo o Ibama, é um exemplo de risco catastrófico, cuja probabilidade é pequena, porém de alta gravidade, ou seja, grandes prejuízos.

A frequência de um acontecimento deste porte é baixa, porém suas consequências são tão severas que causam danos irreparáveis às comunidades, pânico, mortes, danos à natureza, contaminação e impacto nacional e internacional. Por este motivo, contar com a fiscalização dos órgãos governamentais responsáveis de forma mais eficiente pode ajudar as empresas a terem foco no levantamento e tratamento dos seus riscos potenciais, seja atuando em prevenção, tratamento ou transferência para uma apólice de seguros.

No país, a legislação trabalhista determina que as organizações públicas e privadas implementem um conjunto de ações que visem à preservação da saúde e da integridade dos funcionários, além da proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. De acordo com a Norma Regulamentadora 09, da PPRA, são considerados riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos existentes nas áreas de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição são capazes de causar danos à saúde dos empregados. Contaminação do solo, dos mares, rios e lagos, poluição atmosférica, entre outros, também são fatores que podem causar danos ao meio ambiente e, consequentemente, pessoais e materiais a terceiros, além da perda de imagem e receita da empresa.

Mesmo adotando o gerenciamento de risco, independentemente do segmento de atuação, qualquer instituição está sujeita a problemas inesperados. Por isso, é fundamental contratar um seguro ambiental, que tem ganhado destaque por sua funcionalidade e coberturas. “A repercussão da catástrofe em Minas Gerais despertou a preocupação de muitos empresários com relação aos danos ambientais. Muitos alegam que é um seguro caro, porém os custos de uma eventual indenização compensam o investimento. Nesta modalidade não há acidente que seja de pequena relevância, tendo em vista que o seguro possui coberturas amplas garantindo o reembolso por prejuízos decorrentes de danos corporais e materiais causados a terceiros, custo de limpeza, incluindo avaliação, investigação, remediação e monitoramento ambiental, além de honorários advocatícios para defesa do segurado nas esferas civil e criminal”, explica Maiyumi Izumi, Gerente de Riscos Empresarias da MDS.

O maior desastre ambiental no país, por exemplo, resultou em perdas muito maiores do que o proposto em uma apólice de seguros, que tem um Limite Máximo de Garantia (LMG), estipulado pelo segurado, amenizando os prejuízos financeiros pertinentes à indenização. “No entanto, as perdas que a empresa sofre com danos à imagem, à reputação, perdas de contrato e de mercado são muito mais significativas. Além disso, a apólice de seguro é parte de um escopo do gerenciamento de riscos da empresa, onde, independentemente de se ter uma ou não, o tratamento, acompanhamento e mitigação dos riscos é fator primordial para a percepção clara das empresas em relação à sua exposição e consequências”, ressalta.

Contratação de seguro

No Brasil, o seguro ambiental é relativamente novo e não é obrigatório. “Chegou ao país em 2005, e foi a partir deste ano que efetivamente começou a ser comercializado em território nacional. A aceitação é muito tímida se comparada ao ramo de property e outras modalidades de seguro. O maior desafio é o amadurecimento cultural para a contratação deste tipo de apólice”, afirma Maiyumi.

Para se obter uma cotação desse tipo de seguro, a seguradora precisa ter um conhecimento profundo sobre a organização de modo geral. Todos os detalhes são fundamentais para a análise e cálculo da probabilidade dos riscos ambientais do negócio e suas responsabilidades, bem como para propor um plano eficaz de gerenciamento e de soluções para os problemas encontrados. Afinal, a seguradora precisa ter uma visão clara dos potenciais impactos ambientais decorrentes de determinada operação industrial, prestação de serviços ou até mesmo transporte de cargas para subscrever uma apólice para o risco proposto.

 

ROMANO BRANDENBURG: SEGURO AMBIENTAL REDUZ IMPACTO NO MEIO AMBIENTE E GANHA ADEPTOS DO ECO-FRIENDLY PARA A SUA EMPRESA

ROMANO BRANDENBURG: SEGURO AMBIENTAL REDUZ IMPACTO NO MEIO AMBIENTE E GANHA ADEPTOS DO ECO-FRIENDLY PARA A SUA EMPRESA

 

A busca pela redução do impacto ambiental é uma prática cada vez mais comum no meio corporativo. Hoje, tornar-se uma empresa-modelo em responsabilidade socioambiental é estar preocupado com a qualidade de vida da sociedade e, ao mesmo tempo, minimizar o uso de recursos naturais e materiais tóxicos que podem agredir o meio ambiente, a geração de resíduos e a emissão de poluentes durante todo ciclo de vida do produto ou do serviço.

 

Uma pesquisa da Ecológica ID, empresa da área de sustentabilidade e meio ambiente, realizada pelo IBOPE Inteligência, aponta que 88% dos entrevistados acreditam que o processo produtivo deve levar em conta os impactos causados na fabricação de seus produtos, e dizem que os fabricantes têm a obrigação de prevenir problemas que possam causar danos ao meio ambiente. O mesmo levantamento mostra que 68% deixariam de comprar produtos ou serviços de sua marca preferida se soubessem que seu fabricante prejudica o meio ambiente.

 

Além de atrair admiradores eco-friendly para a empresa, é importante estar atento à legislação ambiental brasileira que, por sinal, é bastante rígida. Crimes contra a fauna, flora, poluição, ordenamento urbano e patrimônio cultural são algumas das autuações aplicadas aos infratores que não respeitam as leis do meio ambiente.

 

Cada empresa conta com uma particularidade neste quesito. Por isso, é essencial que uma equipe de especialistas experientes e especializados no assunto avaliem as necessidades reais da companhia. E é este serviço que a MDS oferece quando o assunto é seguro ambiental. Probabilidade e significância dos riscos ambientais são analisados na primeira instância para, na fase seguinte, sugerir soluções e a modalidade ideal de seguro para a sua empresa, entre três disponíveis: Seguro de Responsabilidade Civil de Poluição, Seguro de Responsabilidade Civil para Empreiteiros e Seguro para Danos Ambientais.

 

Como funciona o seguro ambiental para empresas

Assim como outras variedades de seguros oferecidas no mercado, o seguro ambiental consiste em uma apólice, podendo ser adquirida por todo tipo de empresa com CNPJ. As que mais se beneficiam desse tipo de seguro são aquelas que, por um motivo ou outro, usam em sua produção e/ou execução qualquer prática ou material sujeito a degradar o ambiente. Outros tipos de empresas que podem ter mais segurança com esse tipo de apólice são as que sofreram qualquer tipo de incidente com contaminação no solo, e também as que fazem uso ou manipulem substâncias que poluem suas instalações (ou de empresas terceirizadas).

 

Há, entretanto, certas regras para que uma empresa passe a contar com esse tipo de seguro ambiental para exercer suas atividades, entre elas a atualização e verificação de todo tipo de licença ambiental (que podem variar de acordo com o tipo de atividade ou serviço que a empresa realiza), incluindo o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.

 

Em resumo, vemos que diante da rígida legislação e das necessidades atuais, o importante é ter em mãos um plano eficaz para o gerenciamento de possíveis riscos ambientais. A MDS possui uma equipe especializada para lhe atender e tirar todas as dúvidas.