Blog :

MDS Natal 2017: festa de confraternização promove a integração

MDS Natal 2017: festa de confraternização promove a integração

A MDS Brasil realizou sua festa de confraternização no dia 17/12, no Espaço Vila Primavera, em São Paulo. A festa reuniu pela primeira vez, os colaboradores de todos os seus escritórios: São Paulo, Rio de Janeiro, Blumenau, Curitiba, Jaraguá do Sul, Salvador e Recife. A celebração contou ainda com a presença do CEO da MDS Group, José Manuel Dias da Fonseca, e da COO Jacqueline Legrand, que abrilhantaram a festa com um discurso inspirador de agradecimento.

Relembrando os principais momentos do ano, houve uma retrospectiva onde os colegas de Portugal desejaram boas festas, fortalecendo ainda mais a união da MDS Group. Como forma de homenagear os destaques do ano, ocorreu também a entrega de prêmios nas seguintes categorias: MDS Team of the year, MDS Outstanding Contribution, MDS Employee of the year, MDS Champion e Programa Passaporte.

A premiação da categoria “MDS Team of the Year” foi para o time de Marketing. Luciana Gonçalves, Coordenadora de Inovação da área, comentou: “Ver o nosso trabalho reconhecido e honrado com a premiação de melhor time do ano foi algo gratificante para a equipe. Todo esforço para alcançarmos bons resultados no ano não seria possível sem a dedicação de todos integrantes”.

Maiyumi Izumi, Gerente de Riscos Empresariais, ganhadora do “MDS Employee of the Year” agradece: “ter meu trabalho reconhecido como colaboradora destaque do ano me faz acreditar que estou no caminho certo e atingindo os objetivos propostos. Não posso deixar de dedicar o prêmio à minha equipe, que me apoia todos os dias com dedicação e compromisso.”

A última categoria “Programa Passaporte” retribuiu ao esforço de três colaboradoras em 2017 com uma viagem para Portugal, para conhecer o escritório de Porto e Lisboa. “Ser premiada com uma viagem à sede do grupo foi simplesmente maravilhoso. Não tenho dúvidas de que será uma oportunidade única de aprimorar meus conhecimentos e compartilhar experiências com os colegas de Portugal, além do enriquecimento cultural que será adquirido. Obrigada MDS por este reconhecimento” – Giselle Vila Nova, Executiva de Contas de Riscos Financeiros do Rio de Janeiro e uma das selecionadas para o programa, agradece animada.

Durante toda a festa, os colaboradores dispunham de diferentes atrações. Havia impressão de caricaturas em canecas e fotos impressas em formato polaroid após a postagem no Instagram com a hashtag #mdsnatal17. Por fim, eles tinham a possibilidade de conhecer e testar uma alternativa sustentável à mobilidade urbana: a bicicleta elétrica da E-Moving.

Com esta festa, a MDS Brasil conseguiu tangibilizar as palavras do discurso de seu CEO, José Manuel, “Um general não vence nenhuma batalha sozinho, ele sempre estará apoiado por uma equipe, por um time…”.

 

A MDS e toda sua equipe desejam a todos boas festas!

O que são riscos ambientais e como prevenir?

O que são riscos ambientais e como prevenir?

O rompimento das barragens de Fundão e Santarém entre os municípios de Mariana e Ouro Preto em Minas Gerais, em 2015, considerado o maior desastre ambiental do Brasil segundo o Ibama, é um exemplo de risco catastrófico, cuja probabilidade é pequena, porém de alta gravidade, ou seja, grandes prejuízos.

A frequência de um acontecimento deste porte é baixa, porém suas consequências são tão severas que causam danos irreparáveis às comunidades, pânico, mortes, danos à natureza, contaminação e impacto nacional e internacional. Por este motivo, contar com a fiscalização dos órgãos governamentais responsáveis de forma mais eficiente pode ajudar as empresas a terem foco no levantamento e tratamento dos seus riscos potenciais, seja atuando em prevenção, tratamento ou transferência para uma apólice de seguros.

No país, a legislação trabalhista determina que as organizações públicas e privadas implementem um conjunto de ações que visem à preservação da saúde e da integridade dos funcionários, além da proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. De acordo com a Norma Regulamentadora 09, da PPRA, são considerados riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos existentes nas áreas de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição são capazes de causar danos à saúde dos empregados. Contaminação do solo, dos mares, rios e lagos, poluição atmosférica, entre outros, também são fatores que podem causar danos ao meio ambiente e, consequentemente, pessoais e materiais a terceiros, além da perda de imagem e receita da empresa.

Mesmo adotando o gerenciamento de risco, independentemente do segmento de atuação, qualquer instituição está sujeita a problemas inesperados. Por isso, é fundamental contratar um seguro ambiental, que tem ganhado destaque por sua funcionalidade e coberturas. “A repercussão da catástrofe em Minas Gerais despertou a preocupação de muitos empresários com relação aos danos ambientais. Muitos alegam que é um seguro caro, porém os custos de uma eventual indenização compensam o investimento. Nesta modalidade não há acidente que seja de pequena relevância, tendo em vista que o seguro possui coberturas amplas garantindo o reembolso por prejuízos decorrentes de danos corporais e materiais causados a terceiros, custo de limpeza, incluindo avaliação, investigação, remediação e monitoramento ambiental, além de honorários advocatícios para defesa do segurado nas esferas civil e criminal”, explica Maiyumi Izumi, Gerente de Riscos Empresarias da MDS.

O maior desastre ambiental no país, por exemplo, resultou em perdas muito maiores do que o proposto em uma apólice de seguros, que tem um Limite Máximo de Garantia (LMG), estipulado pelo segurado, amenizando os prejuízos financeiros pertinentes à indenização. “No entanto, as perdas que a empresa sofre com danos à imagem, à reputação, perdas de contrato e de mercado são muito mais significativas. Além disso, a apólice de seguro é parte de um escopo do gerenciamento de riscos da empresa, onde, independentemente de se ter uma ou não, o tratamento, acompanhamento e mitigação dos riscos é fator primordial para a percepção clara das empresas em relação à sua exposição e consequências”, ressalta.

Contratação de seguro

No Brasil, o seguro ambiental é relativamente novo e não é obrigatório. “Chegou ao país em 2005, e foi a partir deste ano que efetivamente começou a ser comercializado em território nacional. A aceitação é muito tímida se comparada ao ramo de property e outras modalidades de seguro. O maior desafio é o amadurecimento cultural para a contratação deste tipo de apólice”, afirma Maiyumi.

Para se obter uma cotação desse tipo de seguro, a seguradora precisa ter um conhecimento profundo sobre a organização de modo geral. Todos os detalhes são fundamentais para a análise e cálculo da probabilidade dos riscos ambientais do negócio e suas responsabilidades, bem como para propor um plano eficaz de gerenciamento e de soluções para os problemas encontrados. Afinal, a seguradora precisa ter uma visão clara dos potenciais impactos ambientais decorrentes de determinada operação industrial, prestação de serviços ou até mesmo transporte de cargas para subscrever uma apólice para o risco proposto.

 

Plano de previdência privada é atrativo para colaboradores e empresas

Plano de previdência privada é atrativo para colaboradores e empresas

A previdência tem sido um dos assuntos de maior destaque nos últimos tempos por conta das discussões sobre alterações relacionadas ao tema na esfera pública, visando principalmente uma aposentadoria tranquila, ou seja, o seu objetivo a longo prazo. Consequentemente, a previdência privada também entrou em evidência, seja por parte das pessoas que procuram fontes complementares de garantia de renda futura, seja  pelas  empresas que buscam oferecer esse benefício como atrativo aos seus funcionários, gerando valor para eles e seus colaboradores.

Facilidades para funcionários e empresas

Para os trabalhadores, a previdência privada é uma excelente maneira de proteção  complementar para quem procura independência financeira a longo prazo e não depender das decisões do governo.

Para a empresa,  acrescentar esse produto em sua cesta de benefícios demonstra preocupação com o futuro do colaborador. Na maioria dos casos,  as contribuições do trabalhador para adquirir um plano de previdência privada pela empresa não passa de 6% da remuneração, ou também existem formatos de contribuição fixa (um mesmo valor todo mês). A forma de contribuição, dependerá  da forma contratada e escolhida pela empresa Além do modelo de contribuição definida (valor fixo de contribuição e determinação do valor de benefício no momento da aposentadoria), existe o modelo de benefício definido. Nele, o valor da aposentadoria é fixo e as contribuições são variáveis para que o montante seja atingido no momento de se aposentar. Há ainda o programa de contribuição variável, uma mistura das duas modalidades anteriores.

Previdência privada aberta e fechada

As empresas podem optar por oferecer o benefício de duas formas: previdência privada aberta ou fechada. No modelo de previdência aberta, encontramos os planos que- ofertados pelas entidades de Previdência complementar aberta, podendo ser estipulados por pessoas físicas ou empresas.

Já no modelo de previdência fechada (também chamada de Fundos de Pensão) consiste em  planos desenhados especificamente para cada empresa, contendo regras, normas e legislações diferenciadas, sendo que somente podem ser ofertados para aqueles vinculados a Patrocinadora do contrato,  modelo conta com um órgão regulador das atividades para que tanto a empresa quanto os funcionários não sofram com fraudes de nenhuma natureza.