17 de maio: dia da conscientização contra a homofobia

17 de maio: dia da conscientização contra a homofobia

17 de maio: dia da conscientização contra a homofobia

Como diz o ditado, onde há vontade, há caminho.

Na MDS, nossa vontade leva-nos sempre mais longe, porque nos faz crescer e mudar.

E é com essa cultura que criamos valor por meio da diferença, da inovação e da diversidade.

“Somos sensíveis a causa e respeitamos a diversidade. Queremos lembrar no dia de hoje, um marco na luta contra a homofobia, que tratamos de forma aberta e transparente dentro da empresa”, explica João Petronilho, gerente de Desenvolvimento Organizacional da MDS Brasil.

O 17 de maio foi escolhido como o Dia Internacional Contra a Homofobia por ter sido neste dia, em 1990, que a OMS (Organização Mundial da Saúde) excluiu a homossexualidade da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID).  

Para Reinaldo Bulgarelli, educador e consultor, que trabalha desde 1978 com temas de direitos humanos, desenvolvimento sustentável, valorização da diversidade, investimento social, voluntariado e responsabilidade social empresarial, a data é um símbolo de uma luta que vem de muito antes.

“Dia 17/05 representa o dia em que a área de saúde disse não à discriminação de pessoas homossexuais, retirando da lista de doenças a homossexualidade. Isso é fruto de muitos anos de luta e que só em 1990 se tornou possível”, afirma.

Nesta quinta-feira (17), todos os colaboradores da MDS Brasil receberão um cordão de crachá personalizado com a bandeira do arco-íris, símbolo mundial da luta contra homofobia.

Como professor da FGV (Fundação Getúlio Vargas) e consultor empresarial, Bulgarelli destaca a importância do papel das organizações para a conscientização e sensibilização dos colaboradores contra a homofobia.

“As empresas precisam reafirmar seus valores nesta data e explicitar que respeito a todas as pessoas significa dizer esse não à discriminação de pessoas LGBT+. Só de celebrar a data já está contribuindo e muito para dizer a todos os seus públicos que desrespeito é algo inaceitável”.

Vale ressaltar que o governo criou o Pacto Nacional de Enfrentamento à Violência LGBTfóbica no último dia 15. A prioridade desta norma é garantir o respeito à dignidade e à diversidade humana por meio das ações que combatem a violência. Para isso, o pacto promove a integração das ações e decisões tomadas pela União, pelos Estados e pelo Distrito Federal.